Sabado, 05 de Dezembro de 2020

Nota sobre a nomeação do diretor-geral da Polícia Federal

NOTA CONJUNTA – Forças de segurança pública federais foram abandonadas mais uma vez

PEC 412: o egocentrismo corporativista na adversidade política da Segurança Pública sob o impacto da crise sanitária coronavírus COVID-19

Sinpef-ES integra união de forças para auxiliar famílias capixabas

Coronavírus: Sinpef-ES suspende atendimentos presenciais e disponibiliza canais online

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

05/07/2020

CASO MARIA NILCE: FORÇA-TAREFA DE AGENTES FEDERAIS MUDOU A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL NO ESTADO

A estruturação de uma força-tarefa composta por agentes federais para investigar as circunstâncias da morte da jornalista e colunista social Maria Nilce, assassinada em 1989, contribuiu em muito para transformar o modo de conduzir as investigações criminais no Espírito Santo, já que havia sérias denúncias de comprometimento de alguns poucos servidores das polícias Civil e Militar.

 

Com o método de trabalho puramente investigativo e livre da burocracia comum ao inquérito policial, a força-tarefa foi uma das primeiras a ser implementada no País.

 

A federalização da apuração investigatória do caso Maria Nilce ocorreu em resposta ao clamor popular e da sociedade organizada capixaba, além de requisitada pelo Ministério Público. O caso completa 31 anos neste domingo, dia 5 de julho.

 

“Foi um caso emblemático, sendo o marco de uma guinada nas apurações de outros crimes violentos até então sem a devida resposta de autoria no Estado. Foi a partir desse caso que o Espírito Santo conseguiu retomar as rédeas e o direcionamento das apurações criminais, resgatando em parte a credibilidade judiciária. Foi um golpe profundo no crime organizado que atuava no Estado, mais especificamente no tráfico de drogas, ‘jogo do bicho’ e pistolagem, com ramificações significativas dentro das instituições”, destaca Paulo Roberto Poloni Barreto, que é policial federal aposentado e esteve presente à época dos fatos.

 

“Se não fosse pela participação dos agentes federais através da força-tarefa, o caso Maria Nilce seria hoje o que é o caso Araceli”, afirma.

 

A força-tarefa, de acordo com Poloni, veio para criar uma situação de isenção e restabelecer a ordem pública, objetivando a chegar à verdade dos fatos. Segundo ele, naquela época, a Grande Vitória era considerada “terra sem lei”, dominada pelo chamado “Esquadrão da Morte” e com agremiações policiais de caráter duvidoso, como a Escuderie Detetive Le Coq.

 

“A impunidade era assegurada através das execuções sumárias, bem como nas conduções de inquéritos policiais instaurados para mascarar a verdade e desvirtuar os fatos”, relembra.

 

Legado

Na avaliação de Poloni, a instauração da força-tarefa no Espírito Santo para apurar o assassinato de Maria Nilce seria comparável ao que representa hoje a força-tarefa da Lava Jato, embora os objetos de investigação sejam diferentes.

 

“A atuação dos agentes federais no caso Maria Nilce e no combate ao crime organizado aqui no Estado foi um dos embriões para a investigação qualificada, em que se agregam diversas forças institucionais e de inteligência para, em conjunto, apurar uma determinada situação delituosa, hoje plenamente reconhecida e vitoriosa pela sua eficácia como é o caso da Lava Jato.”

 

Na época, todo o efetivo da Superintendência Regional da Polícia Federal no Espírito Santo participou de forma direta ou indireta, juntamente com os demais policiais oriundos de outros estados, atuando nas investigações e agregando as demais instituições em uma força conjunta, como Receita Federal, Polícia Civil, Polícia Militar, Ministério Público, dentre outras.

 

Os acusados

Maria Nilce foi assassinada aos 48 anos, na Praia do Canto, em Vitória. De acordo com informações disponíveis no site do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), ao fim das investigações, a força-tarefa da Polícia Federal, apontou como mandante o empresário José Alayr Andreatta.

 

Ele teria contratado o policial civil Romualdo Eustáquio da Luz Faria, o Japonês, para executar o crime. Por sua vez, Japonês teria subcontratado José Sasso e Cezar Narciso. Outro acusado no caso foi o piloto Marcos Egydio Costa, que teria auxiliado os pistoleiros em fuga em seu avião, levando-os para o Rio de Janeiro.

 

Araceli

O assassinato brutal da menina Araceli Cabrera Crespo, de 8 anos, permanece sendo uma das maiores incógnitas da investigação criminal no Espírito Santo. A Justiça chegou a três principais suspeitos. A princípio condenados, em um novo julgamento, os três foram absolvidos por uma nova sentença. Araceli se tornou símbolo do combate à violência contra a criança e o adolescente no Brasil.





    NOTÍCIAS

    Projeto de lei cria tipo penal Domínio de Cidades em crimes graves contra o patrimônio

    Grupos criminosos fortemente armados tomam de assalto uma cidade e cometem diversas atrocidades. Nos últimos dias, vimos cenas que quase lembram filmes de ação se desenrolando pelas ruas de Criciúma (SC), em ações bem planejadas de assalto a bancos.   Em um contraponto fundamental a essas violentas ações criminosas, na tarde desta quinta-feira (3), o deputado Sanderson (PSL-RS) protocolou o Projeto de Lei 5365/2020 (PL Domínio...

    Sete armas de fogo e 569 munições de diversos calibres são apreendidos em operação

    Oito agentes federais, com o apoio de três militares do Exército, cumpriram mandado de busca e apreensão em Cariacica no âmbito da Operação Bengala. Na ação, foram aprendidas sete armas de fogo e 569 munições de diversos calibres.   O investigado foi preso em flagrante e conduzido à Polícia Federal, mas, como se trata de infração penal afiançável, foi arbitrada fiança. O in...

    Do novo cangaço ao domínio das cidades, o livro que retrata a violência em crimes contra o patrim

    Profissionais que também estão na linha de frente do combate à criminalidade no País, policiais federais e policiais militares, além de um membro do Ministério Público, reuniram-se para trazer aos leitores a obra “Alpha Bravo Brasil: Crimes Violentos Contra o Patrimônio”. O livro, produzido pelos 10 autores, reúne pesquisas acadêmicas realizadas por profissionais especializados em Segurança Pública e of...

    Preso em flagrante investigado por compartilhar pornografia infantil

    Cinco agentes federais que atuam no Espírito Santo prenderam um homem em flagrante, na manhã desta quarta (14), pelo crime de compartilhamento de arquivos contendo pornografia infanto-juvenil. A prisão ocorreu durante um cumprimento de mandado de busca e apreensão na casa do investigado, em Vitória.   A prisão do investigado faz parte da Operação Interrupção, que tem o objetivo de combater difusão de arquivos con...

    Justiça reconhece acidente de trabalho de agente sindicalizado

    O Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (SINPEF-ES) obteve sentença favorável no 2º Juizado Especial de Vitória na defesa de sindicalizado que sofreu acidente trabalho, outrora não reconhecido administrativamente pela DGP/PF.   Na instrução do processo administrativo foram ouvidos servidores que testemunharam a lesão sofrida pelo sindicalizado durante o treinamento. Apesar das fortes dores do acidente de trabalho, e...

    Investigação contra desvios milionários no SUS deflagra mandados de busca e apreensão no ES

    Agentes federais cumprem oito mandados de busca e apreensão em cinco municípios capixabas no âmbito da “Operação Sem Misericórdia”, que investiga o desvio de mais de R$ 2 milhões de recursos do SUS destinados à Santa Casa de Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul.   Os mandados estão sendo cumpridos em Vitória (um), Vila Velha (quatro), Afonso Cláudio (um), Venda Nova do Imigrante (um) e Sã...

    “O adoecimento mental faz parte de uma profissão de risco”, alerta especialista

    Homens e mulheres que atuam nas forças de segurança, muitas vezes, são vistos pelo estereótipo do “herói”. Pessoas fortes, quase invencíveis. Pessoas, muitas vezes, duras, corajosas, inquebráveis. E, muitas vezes, esquece-se que esses homens e mulheres são, sobretudo, pessoas. Seres humanos.   Em 2019, um estudo realizado pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) apontou que se a Políci...

    Copas inicia trabalho de atenção à saúde dos profissionais da Segurança Pública no Estado

    O início dos trabalhos efetivos da Comissão Permanente de Atenção à Saúde dos Profissionais de Segurança Pública, Defesa Social e Justiça no Espirito Santo (Copas) ocorreu nesta quarta-feira, 9 de setembro, véspera da data em que marca o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio (10 de setembro).   A Copas foi instituída após portaria publicada em dezembro de 2019, pela Secretaria da Segura...

    Policiais aposentados estão autorizados a manter armas da ativa

    O diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza, editou portaria autorizando que policiais federais mantenham as armas que utilizavam na ativa ao se aposentarem. Segundo a Federação Nacional dos Policiais Federais, a regra autoriza ainda que policiais já aposentados também poderão receber uma arma, se quiserem. A portaria entrará em vigor no dia 1º de outubro.   A Fenapef informou que a edição da portaria s...

    Fim do desconto da cota-parte pré-escolar para policiais federais

    A disputa pelo fim do desconto da parte dos policiais federais no auxílio pré-escolar chegou ao fim para os filiados de 19 estados, incluindo o Espírito Santo, que ajuizaram ação conjunta contestando o desconto. A diretoria jurídica da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) fechou acordo com a Advocacia Geral da União (AGU) para que cessem os descontos nos vencimentos dos servidores.   O acordo foi fechado com des...

    Clique aqui para exibir mais notícias