Terça-feira, 17 de Setembro de 2019

Fenapef, entidades sindicais e Polícia Federal se unem para discutir saúde emocional na PF

Casos de depressão entre policiais devem ser tratados sem estigma

Agentes, escrivães, papiloscopista e peritos da Polícia Federal Contra a PEC 412

Claudilene e Lucimei: décadas de dedicação ao Sinpef-ES

POLICIAIS FEDERAIS DESENVOLVEM PROJETO DE FUTEBOL QUE AJUDA A MUDAR A VIDA DE JOVENS DE PERIFERIA

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

12/07/2019

REFORMA DA PREVIDêNCIA É APROVADA EM PRIMEIRO TURNO

Por 379 votos a 131, a reforma da previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro foi aprovada em primeiro turno no Congresso Nacional. A votação se deu na noite dessa quarta-feira (10), em Brasília (DF). Para ser aprovada nessa primeira etapa, a proposta deveria receber 308 votos a favor. O segundo turno, de acordo com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, deverá ocorrer em agosto e depois a proposta seguirá para o Senado. Até lá, a União dos Policiais do Brasil (UPB) continuará com o trabalho de convencimento entre os parlamentares para alterar o texto e fazer justiça com a categoria da segurança pública.

O presidente da República apresentou a proposta de reforma da previdência em fevereiro deste ano. De lá para cá, algumas mudanças foram feitas, mas o teor geral foi mantido. Para os policiais federais, a reforma proposta trará graves alterações na aposentadoria. 

Idade mínima
Antes da proposta, não havia idade mínima fixada para que o policial se aposentasse. Agora, no texto acordado entre o governo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e alguns integrantes da bancada da bala, passaria a ser 53 anos para os homens e 52 para mulheres, somado ao cumprimento de um pedágio de mais 100% do tempo restante. Porém, se o pedágio de 100% superar esta idade de 53 e 52, o servidor se aposentará aos 55 anos, desde que cumpridos os requisitos da Lei Complementar 51/85 (30 anos de contribuição se homem, e 25 se mulher, sendo 20 estritamente policial se homem e 15 se mulher). Como exemplo, uma mulher com 48 anos e que falte um ano para se aposentar terá que trabalhar mais dois anos por conta do pedágio e permanecer na ativa até os 52 anos por força da idade mínima.


Tempo de contribuição

Para os policiais que estiverem no órgão até a promulgação da emenda, nada muda em relação ao tempo de contribuição, permanecendo os requisitos da LC 51/85. Todavia foi acrescentado o requisito da idade mínima ou idade mínima mais pedágio, o que for mais benéfico ao servidor. A atividade de risco foi retirada do texto constitucional.

Alíquota
Outro ponto sensível na reforma era a alíquota de contribuição. Agora, ela será de 14% para servidores da ativa, aposentados e pensionistas (incluindo também os aposentados e pensionistas na data da emenda nº 41/2003). Porém, essa alíquota será elevada considerando o valor de base da contribuição ou do benefício, podendo chegar a até 22%, dependendo da faixa salarial do servidor.

Ingresso após emenda
Policiais que ingressarem após a emenda terão regra diferenciada de aposentadoria. Ambos os sexos deverão respeitar a idade mínima de 55 anos de idade, 30 anos de contribuição e 25 anos de efetivo exercício no cargo.

Reconhecimento do tempo de atividade militar
O reconhecimento do tempo de atividade militar para fins de contagem de tempo policial foi contemplado na proposta.

Integralidade
No acordo feito pelo governo com líderes do Centrão e com alguns integrantes da “bancada da bala”, ficou encaminhado que o direito à integralidade dos vencimentos (o valor de aposentadoria será o valor do último salário do servidor na ativa) será reconhecido pela Advocacia-Geral da União a todos servidores integrantes do órgão até a promulgação da emenda, alcançando até os que entraram depois da instituição do FUNPRESP, em 2013. Esse reconhecimento se dará por intermédio de um parecer vinculante da AGU, assinado conjuntamente pelo presidente da República.

Pensão
Foi aprovado um dos pontos defendidos pela UPB, incluindo a Fenapef, que é a pensão integral em casos de morte de policial em serviço ou em razão dele. Pela proposta original, que acabou sendo modificada após intenso trabalho dos policiais no Congresso, a pensão seria equivalente a uma cota familiar de 50% do valor de aposentadoria recebida pelo segurado ou servidor(a). Seriam acrescidas cotas de dez pontos percentuais por dependente até o valor máximo de 100% no caso de pensão recebida por aposentado por incapacidade permanente na data do óbito. Se a morte não se der em serviço ou em razão dele, continuará a ser aplicada esta fórmula descrita.

Tramitação
Concluída a votação do texto-base e dos destaques, foi encerrado o primeiro turno. Depois disso, a PEC será submetida a um segundo turno de votação, seguindo posteriormente ao Senado Federal, onde precisará de 49 dos 81 votos também em dois turnos. Se não houver alterações nessa fase, a reforma será promulgada pelo presidente do Senado, também presidente do Congresso Nacional, e passará a valer imediatamente. 

Para o presidente em exercício da Fenapef, Luiz Carlos Cavalcante, "o texto acordado entre Rodrigo Maia, líderes do Centrão e alguns integrantes da bancada da bala está longe de fazer justiça às especificidades da categoria da segurança pública, pois continua sendo a única a não ter uma regra de transição.” Segundo Cavalcante, o texto continua cruel para com as mulheres policiais que estão atualmente no órgão, “pois muitas terão que trabalhar mais seis, sete, oito anos ou mais, justamente pela ausência de um pedágio desvinculado da idade mínima. Reconhecemos alguns avanços no texto, como a pensão integral por morte em serviço ou em razão dele, o reconhecimento do tempo de atividade militar e a promessa da integralidade para todos os policiais que estão no órgão até a promulgação. Aguardaremos o término da votação na Câmara e continuaremos lutando com todas as forças no Senado para corrigir as graves distorções que o texto ainda mantém”.


Fonte: Texto: Comunicação Fenapef | Foto: Agência Senado


    NOTÍCIAS

    Alerta para o risco de doenças mentais e suicídio de policiais

    A rotina de enfrentamento do crime dos policiais é arriscada, mas não tem sido o principal desafio desses profissionais. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019, um total de 104 policiais (entre civis e militares) cometeu suicídio em 2018. Um número que ultrapassa o total de policiais assassinados em horário de trabalho.   “A taxa de suicídio entre policiais é três vezes maior que da popula&cc...

    Sindicatos e PF discutem saúde emocional na corporação

    A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) – em parceria com o Sindicato dos Policiais Federais no Distrito Federal (Sindipol-DF), a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), a Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal e a Diretoria de Gestão de Pessoal (DGP) da PF – realizaram nesta quinta-feira (12), em Brasília, a palestra “Felicidade e Produtividade no Ambiente de Trabalho&rdquo...

    Assistente social da PF em evento de prevenção ao suicídio

    A assistente social Gegliola Campos da Silva, que atua na Polícia Federal, compôs mesa de discussão sobre a "manifestação suicida em profissionais da segurança pública, saúde e educação", na Ufes, na última terça-feira (10). Estavam presentes renomados profissionais da psicologia e da psiquiatria, bem como outras áreas da saúde. O evento teve como público-alvo acadêmicos, pesquisadores,...

    Novo convênio Sesc/ES e Sinpef beneficia filiados

    Os filiados ao Sinpef-ES agora têm mais benefícios. Acaba de ser assinado um convênio com o Sesc/ES proporcionando uma série de vantagens para os sindicalizados e seus familiares.   Para obter os benefícios do convênio, o sindicalizado deverá fazer a carteirinha do Sesc-ES. Saiba como e onde fazer entrando em contato com Sinpef-ES.   “Estamos muito orgulhos com esse novo convênio. Trabalhamos para que os nossos filiados tenh...

    Depressão entre policiais deve ser tratada sem estigma

    O Setembro Amarelo é dedicado à prevenção do suicídio, momento muito oportuno para lembrarmos que doenças mentais não tratadas podem levar as pessoas a desistirem da própria vida. Apesar de ser um fenômeno multicausal, é importante destacar que algumas profissões, no contexto em que são impostas, tornam o indivíduo mais exposto aos riscos de depressão, outros transtornos mentais e at&ea...

    Gazeta Online: policial federal e observador de VAR Marcos André

    Ex-árbitro capixaba avalia como positivo a introdução da ferramenta e importante no trabalho de auxiliar o árbitro de campo nas deciões   Em outubro de 2017, o então árbitro de futebol Marcos André Gomes da Penha pendurou o apito após vinte anos de dedicação à arbitragem de campo, mas a ligação dele com o futebol não parou por ali. Na verdade ela se modernizou e caminhou paralela &agra...

    Prorrogadas inscrições para Prêmio de Jornalismo

    Foi prorrogado para 10 de setembro o prazo para inscrição ao 3º Prêmio Policiais Federais de Jornalismo. Criado pela Federação nacional dos Policiais Federais e o Sindicato dos Policiais Federais no Distrito Federal, o Prêmio Policiais Federais premia e dá visibilidade à atuação dos jornalistas que cobrem segurança pública.   Podem concorrer trabalhos jornalísticos, únicos ou em sér...

    Fenapef reforça equiparação de aposentadorias junto a senador

    O vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luiz Carlos Cavalcante; o diretor parlamentar da entidade, Marcus Firme; e a policial federal Susanna Moore foram recebidos nesta terça-feira (27) pelo senador Marcos do Val (Podemos-ES). O parlamentar é membro titular da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, onde tramita a Proposta de Emenda à Constituição da Reforma da Previdê...

    Fenapef e Sinpef-ES se posicionam contra a PEC 412

    Agentes, escrivães, papiloscopistas e peritos da Polícia Federal estão em estado de alerta. A preocupação, manifestada por suas entidades representativas, é a Proposta de Emenda Constitucional 412, a chamada PEC da Autonomia da Polícia Federal, que voltou a ser debatida em Brasília. Para eles, o argumento de que a norma iria fortalecer a instituição é uma falácia. Eles ainda a consideram um retrocesso que pode le...

    Fenapef quer correção de distorções e injustiças a policiais

    Ofício protocolado no gabinete de Tasso Jereissati, na última sexta-feira, comprova que “regra de transição” criada na Câmara dos Deputados vai beneficiar uma quantidade ínfima de policiais.   Na tarde da última sexta-feira (16), a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), que integra a União dos Policiais do Brasil (UPB), protocolou ofício no gabinete do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), ...

    Clique aqui para exibir mais notícias