Segunda-feira, 09 de Dezembro de 2019

Projeto social liderado por policial federal completa dois anos fazendo a diferença na vida de meninos capixabas

ARTIGO MARCUS FIRME - Policiais Federais: trabalho de defesa da sociedade e seus desafios

Artigo: Uma polícia para o Século XXI - a Carreira Única e o Ciclo Completo da Ação Policial (Por Roberto Darós)

Claudilene e Lucimei: décadas de dedicação ao Sinpef-ES

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

17/05/2018

LEGISLAÇÃO DEFASADA REFLETE NA DESVALORIZAÇÃO DA CARREIRA DE POLICIAL FEDERAL

O trabalho da Polícia Federal vem há muitos anos conquistando respeito e credibilidade da sociedade e ganhou ainda mais evidência após o início da Operação Lava Jato, em 2014, cujo grande diferencial foi a formação de uma Força Tarefa constituída por diversos integrantes de variados cargos.

 

Porém, nem todos os profissionais desse órgão têm o correspondente reconhecimento na lei, tampouco do grande público, uma vez que o trabalho dos agentes, papiloscopistas e escrivães vai muito além do pouco que foi mostrado em filmes e séries. No desempenho de suas atividades, por vezes de alta complexidade, são exigidos conhecimentos específicos para se alcançar os resultados exitosos das investigações.

O trabalho dos citados profissionais, tão imprescindível para o sucesso dessas grandes operações policiais que a todo momento surgem no país, ainda não está devidamente definido e consolidado em uma lei específica. Apesar de ser exigido via concurso público o nível superior para ingressar em todos os cargos da Polícia Federal desde 1996, até hoje as atribuições são regidas pela Portaria nº 523 de 1989, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que traz em seu texto funções defasadas e aquém das realmente desenvolvidas pelos agentes, papiloscopistas e escrivães.

 

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luiz Antônio de Araújo Boudens, afirma que, como não há atribuição em lei, existe um vazio que provoca insegurança jurídica, e a portaria do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, é, inclusive, objeto de ação judicial, criticando a sua validade. “Isso ocorre porque não há atribuições dos cargos da Polícia Federal. Já levamos ao Governo e judicializamos a ilegalidade da portaria”, afirma.

O vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES), Hélio de Carvalho Freitas Filho, explica que o curso superior para ingressar na Polícia Federal passou a ser exigido a partir de 1996. “Contudo, passados todos esses anos, jamais as atribuições dos cargos de agentes, escrivães e papiloscopistas foram definidas em lei de acordo com a complexidade envolvida e conforme o nível superior exigido. A portaria que define as atribuições, de 1989, é de extrema simplicidade, como se os agentes, escrivães e papislocopistas federais não desenvolvessem e coordenassem atividades mais complexas em suas áreas de atuação”, pontua.

Existe um grande questionamento da categoria por conta dessa patente desvalorização profissional, em que os três cargos da Polícia Federal agregam grande valor às investigações e ainda assim não existe qualquer projeto de reestruturação interna de fato sendo desenvolvida. “Nossos agentes, escrivães e papislocopistas são especializados, mestres e doutores, que desenvolvem pesquisas com reconhecimento internacional, mas o rol de suas atribuições está completamente obsoleto. Se não fosse pelo desempenho pessoal dessas pessoas, nós não teríamos trabalhos tão bem elaborados. Então, a gente prima pela definição em lei das atribuições correspondentes à complexidade dos cargos”, enfatiza o vice-presidente do Sinpef-ES.

Um exemplo recente da capacitação desses profissionais e que reflete na melhoria do trabalho da Polícia Federal como um todo é a utilização de uma técnica desenvolvida durante a pesquisa de doutorado do papiloscopista capixaba Carlos Magno Alves Girelli para identificação de digitais nos cartuchos de munição usados no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, no Rio de Janeiro.

Por uma série de motivos, a identificação de suspeitos com base nas impressões digitais reveladas a partir de cartuchos deflagrados é muito difícil. Não há consenso na literatura científica quanto ao melhor método de revelação a ser aplicado e são raros os casos criminais solucionados nesse sentido. Até o desenvolvimento da tese do papiloscopista capixaba, não havia procedimento padrão no Brasil que orientasse quanto a isso. “No caso Marielle processamos, no total, nove estojos de munição e um apresentou impressões digitais com qualidade suficiente para identificação”, conta Girelli.

 

Assim como no exemplo do papilloscopista Girelli, há inúmeros outros casos dentro da Polícia Federal, em que tais profissionais são responsáveis por desenvolverem trabalhos de destacada complexidade em contraste ao simples enunciado de suas atribuições tão mal redigidas.

Para o presidente da Fenapef, a exigência por uma lei é urgente. “É preciso que a legislação traga um rol de atribuições para cada cargo da Polícia Federal. Nós trouxemos o problema e a solução e o governo já tem todas as condições de apresentar um caminho. Agora, falta a vontade de colocar isso como projeto”, finaliza Boudens.


Fonte: Sinpef-ES


    NOTÍCIAS

    Presidente da Fenapef fala sobre crimes cibernéticos na UVV

    O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens, fala nesta terça-feira (10) na Universidade de Vila Velha (ES) sobre a atuação do policial federal em crimes cibernéticos. O professor Roberto Darós, agente de polícia federal e especialista em segurança pública, será o mediador do debate.   Palestrantes e plateia vão discutir a “Sociedade Cibern&e...

    Estudantes se reúnem, ganham prêmios e debatem corrupção

    Estudantes do Ensino Médio de cinco escolas da Rede Pública de Ensino do Estado lotaram o auditório do Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE-ES) para participarem do III Encontro do Dia Internacional Contra a Corrupção na manhã desta sexta-feira (6). Eles também conheceram os vencedores do concurso de redação promovido pelo Focates (Fórum das Carreiras Típicas de Estado) e o Focco (Fórum Permanente de ...

    Agente fala sobre horário especial de servidor estudante

    Ao encaminhar seu Trabalho de Conclusão de Curso no departamento de Direito da Ufes ao Sinpef-ES, o policial federal Ricardo Abidala Keide escreveu uma carta em que relata à entidade representativa sobre sua experiência e os desafios dos agentes federais que são estudantes. O tema de seu TCC foi “Horário Especial de Servidor Estudante: Uma Abordagem a Partir Da Lei 8112/90 e da Constituição Federal”. Confira.   PÓS-ESCRITO...

    Policial federal na identificação de vítimas em Brumadinho

    “Ter contato com pessoas que de maneira abrupta e coletiva simplesmente desapareceram do convívio de seus amigos e familiares é algo transformador. Você percebe o quanto circunstâncias que você realmente não controla podem incidir sobre sua existência. Na verdade, tudo é tênue”.   Esse foi o sentimento que a tragédia de Brumadinho/MG deixou para o Papiloscopista Policial Federal Gabriel de Oliveira Urtiaga, que f...

    Atenção filiado: responda à enquete sobre futuras ações

    A Fenapef está realizando uma enquete entre os filiados para balizar futuras ações da entidade. O objetivo é saber se há concordância com as quatro pautas que foram selecionadas na última Assembleia Geral Extraordinária (AGE), realizada em Brasília, nos dias 19, 20 e 21 de novembro. Foram elas a Lei Orgânica da PF (projeto OPF), a modernização das investigações com protagonismo para o trabalho dos inv...

    Projeto social liderado por policial federal completa 2 anos

    O Capixaba Instituto Social, projeto presidido pelo policial federal e diretor de Comunicação do Sinpef-ES, Fabricio Sabaini, acaba de completar dois anos e vem fazendo a diferença para meninos de 13 a 19 anos, aliando futebol, disciplina e encaminhamento ao emprego. Mais de 100 jovens e adolescentes já foram atendidos.   A comemoração do aniversário do projeto foi na manhã deste sábado (23), no Tancredão, Vitóri...

    Policiais Federais: trabalho de defesa da sociedade

    ARTIGO: Marcus Firme, presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES) e diretor parlamentar da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), publicado no site Dia a Dia ES    Neste sábado (dia 16 de novembro) é o Dia do Policial Federal. Para nós, é uma oportunidade de parabenizarmos os valorosos homens e mulheres que se dedicam todos os dias a questões fundamentais para a segurança do ...

    Quando os números escondem a ineficiência do corporativismo

    Artigo Luís Antônio Boudens, presidente da Fenapef   Embora a matemática seja uma ciência exata, números analisados fora de contexto se prestam a interpretações que nem sempre são o reflexo da verdade. Podem distorcer fatos, torcer realidades, levar a um ponto de chegada que não conta a verdadeira história e não reflete o caminho percorrido.   No início de 2019, pesquisa encomendada pelo Departam...

    Artigo A Gazeta: Também morre quem atira

    O Estado não pratica uma política pública eficaz para que o combate seja evitado    Autores: Henrique Geaquinto Herkenhoff (professor do mestrado em Segurança Pública da UVV) e Fabrício Sabaini (agente de Polícia Federal e mestrando em Segurança Pública)   Há semanas o noticiário foi tomado por mais uma tragédia de nosso cotidiano: a morte da menina Ághata enquanto voltava para casa com ...

    Confraternização reúne policiais federais do Estado

    Em homenagens aos policiais federais capixabas, comemoramos nesta quinta-feira (31), num churrasco descontraído, o Dia do Servidor Público (celebrado 28/10) e o Dia do Policial Federal (16/11). Foi um momento de muito bate-papo, música, risadas e confraternização entre grandes amigos e colegas de trabalho.   "É sempre bom valorizarmos esse clima de união e alegria. Pois, além dos nossos direitos e bandeiras coletivas, prezamos pelo i...

    Clique aqui para exibir mais notícias