Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Nota sobre a nomeação do diretor-geral da Polícia Federal

NOTA CONJUNTA – Forças de segurança pública federais foram abandonadas mais uma vez

PEC 412: o egocentrismo corporativista na adversidade política da Segurança Pública sob o impacto da crise sanitária coronavírus COVID-19

Sinpef-ES integra união de forças para auxiliar famílias capixabas

Coronavírus: Sinpef-ES suspende atendimentos presenciais e disponibiliza canais online

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

11/03/2014

ARTIGO: DESVALORIZAR A POLÍCIA PODERÁ NOS CUSTAR MUITO CARO

Por: Viviane Mosé

 

Vivo no Rio desde 1992, e a vinculação entre a polícia e a criminalidade sempre esteve presente, com policiais extorquindo cidadãos, e traficantes atuando como xerifes nas comunidades. Quando Anthony Garotinho foi governador e, depois, secretário de Segurança, essa relação se ampliou. Em sua sentença de condenação a dois anos e meio de prisão, o juiz Marcelo Leonardo Tavares afirma que Garotinho dividia com Álvaro Lins a liderança da quadrilha que corrompia delegados, lavava dinheiro do tráfico, financiava campanhas. Vejam: faz muito pouco tempo, o Rio era um estado onde o ex-governador, então secretário de Segurança, chefiava uma quadrilha cujo segundo nome era o comandante da Polícia Civil, como consta em reportagem da revista “Época” de fevereiro.

 

Vieram as UPPs, com proposta clara, objetivos explícitos e uma consistente concepção estratégica. Qualquer estudo sobre a criminalidade no Rio vai apontar para o problema do território. O espaço físico da favela, com suas intrincadas vielas nascidas do abandono do poder publico, terminou submetido à criminalidade, favorecendo a formação de um poder paralelo. O que me chamou a atenção no projeto das UPPs foi a concepção estratégica da polícia, que, em vez de sair invadindo morros e atingindo inocentes —e em vez de atirar a esmo, atacando o urgente e esquecendo o essencial —, pela primeira vez partiu de uma ação movida por um plano, um estudo das condições específicas da favela.

 

O principal objetivo das UPPS é tirar o tráfico dos morros, libertando as comunidades dos traficantes e oferecendo serviços públicos antes inexistentes. Servindo à população e angariando seu apoio, as UPPs poderiam manter o tráfico fora das favelas, e somente assim. Mas essa expulsão não poderia acarretar o risco de uma guerra sangrenta e sem fim, como já vimos acontecer. A inteligência da polícia buscou, então, avisar sobre a invasão. E previu que os traficantes que fugissem se abrigaram em outras favelas, que também seriam pacificadas, até que, sem território, o tráfico se dissolveria, ao menos em sua estrutura organizada. Tudo aconteceu como esperado: em 22 favelas com UPPs, de 2000 a 2012, o número de homicídios caiu 65%. E no asfalto não foi diferente: os homicídios na capital diminuíram em 48%.

 

Mas, não podemos esquecer, mesmo com essa retomada a polícia do Rio é uma das mais corruptas do país, e a luta estava só começando. A cidade acreditou, se emocionou. E aplaudiu José Mariano Beltrame, recebido como um herói.

 

O primeiro grande desgaste da polícia nos últimos anos foi com as manifestações. Sem preparo, ela extrapolou, se perdeu, agrediu. Foi acusada de matar o servente de pedreiro Amarildo de Souza na Rocinha, invadiu comunidades, atirando e matando inocentes. Hoje sabemos que os manifestantes também foram violentos. O que não justifica os erros da polícia. Aos poucos, a grande manifestação foi deixando as ruas, e ficou uma massa rala, difusa, que, sem direção, optou pelo imediato: não mais transporte, educação, mas a polícia e seus desmandos. Curiosamente ressurge Anthony Garotinho, candidato ao governo e maior difamador das UPPs, com um forte arsenal de atuação nas redes, arrebanhando adeptos, especialmente entre os que não o conhecem, que não sabem de seu passado: os jovens.

 

O que me impressiona é ver uma juventude bem intencionada, mas pouco culta, repetindo palavras de Garotinho como se fossem de cidadania e liberdade. Se alguma consciência política e social existisse, nos apressaríamos em fortalecer a transformação da nossa polícia, incentivando a vinda de jovens honestos, corajosos. E expulsando as cobras criadas da criminalidade. Mas nós não queremos a polícia, não nos importamos que o tráfico os mate, ainda jovens. Preferimos o crime, a violência, o medo.

 

A polícia é uma necessidade, especialmente no Rio, esta cidade sitiada por menores armados, prontos a morrer por uma dose de crack. Desvalorizar a polícia e os resultados das UPPs é um retrocesso que poderá nos custar muito caro.

 

Fonte: O Globo

 



COLUNISTAS

Segurança pública na Covid-19 e a PEC 168: em busca da eficiência policial

A pandemia da Covid-19 trouxe a tragédia, apresentada em rápidos capítulos, mas também a evidenciação das falhas e deficiências em diversas áreas essenciais: saúde, educação, segurança pública e defesa civil. A carência na prestação de serviços públicos básicos não surgiu agora, em virtude da referida crise sanitária. É óbvio que se trata ...

FENAPEF esclarece situação de inscrição de Precatórios e expedição de RPV - ações dos 28,86

Na última sexta-feira, 1, se encerrou o prazo para inscrição de Precatórios para pagamento no final de 2017, por esse motivo a Diretoria jurídica esclarece a situação das ações que se encontram em fase de execução.   De acordo com o núcleo jurídico, há algum tempo esta ação que, na verdade é uma execução complementar à ação dos 28,86% pr...

Dutra, não o marechal, o taxista, tem razão. “Não jogue seu voto no lixo”

“O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.” (Luther King)   Por Gilberto Clementino   É a mais pura verdade. Entro num taxi e ouço o motorista Dutra, não o marechal, lógico, mas o taxista, Sérgio Dutra e, afinal, ele tem toda a razão. É preciso muito cuidado, diante ...

“Aprendendo com o mundo civilizado”

Por algumas dessas configurações que o destino apresenta, vim conhecer de perto o trabalho da Policia de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Publiquei algumas fotos em redes sociais, mencionando o alto grau de eficiência da Policia americana, em comparação com a nossa e rapidamente apareceram “experts” em segurança pública, para dizer que os agentes “ianques” não são lá essas coisas.   Aos “esp...

Agentes Federais: racionalizar gastos, eliminar burocracia e formar a carreira única

É preciso trabalhar e vejo que não se fala quase senão em política que é as mais das vezes guerra entre interesses individuais. (D. Pedro II)   É preciso estar atento quando se fala em sacrifícios e ajustes para atingir a chamada meta fiscal. É preciso que a população observe e reflita sobre comportamentos historicamente condenáveis como “farinha pouca no meu pirão primeiro” ou a...

Corra que a Polícia Federal Vem Aí!

Não perguntes o que a tua pátria pode fazer por ti. Pergunta o que tu podes fazer por ela. (John Kennedy)   Por Gilberto Clementino    Enquanto muitas instituições recebem avaliações sofríveis por parte da população, a Polícia Federal avança em credibilidade e confiabilidade, em trabalho árduo e necessário fechando cerco aos bandidos, que lesam o país nas mais variadas modali...

Luiz Eduardo Soares expressa sua opinião sobre a MP 657/2014

Em sua página do facebook, o especialista em Segurança pública, Luiz Eduardo Soares, expressa sua opinião a respeito da MP 657/2014.   "Vejam o absurdo da medida provisória 657 editada pela presidente Dilma. Sabemos que ela é centralizadora, mas, nesse caso, excedeu-se: se passa a ser a presidente a responsável pela nomeação do diretor geral da Polícia Federal, estando, entretanto, a instituição no minist&...

Experiência não é carro com faróis virados pra trás...

Preciso fazer uma confissão: mesmo que alguns digam que experiência é um carro com os faróis virados para trás, não vou desistir; vou dizer ao mundo que não aguento mais ver meu salário encolher. Que estou no limite, que o ponteiro da minha resistência bateu na reserva. Continuarei exigindo que expliquem por que é tão difícil entender que congelamento de salário é incompatível com inflaç...

Clique aqui para exibir mais notícias