Quarta-feira, 15 de Julho de 2020

Nota sobre a nomeação do diretor-geral da Polícia Federal

NOTA CONJUNTA – Forças de segurança pública federais foram abandonadas mais uma vez

PEC 412: o egocentrismo corporativista na adversidade política da Segurança Pública sob o impacto da crise sanitária coronavírus COVID-19

Sinpef-ES integra união de forças para auxiliar famílias capixabas

Coronavírus: Sinpef-ES suspende atendimentos presenciais e disponibiliza canais online

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

18/12/2013

EXPERIêNCIA NÃO É CARRO COM FARÓIS VIRADOS PRA TRÁS...

Autor: Valacir Marques Gonçalves

Preciso fazer uma confissão: mesmo que alguns digam que experiência é um carro com os faróis virados para trás, não vou desistir; vou dizer ao mundo que não aguento mais ver meu salário encolher. Que estou no limite, que o ponteiro da minha resistência bateu na reserva. Continuarei exigindo que expliquem por que é tão difícil entender que congelamento de salário é incompatível com inflação. Não deixarei que esqueçam que os integrantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário têm as mesmas necessidades e aspirações. E, por favor, não me enviem boatos otimistas, nem falsas tabelas, elaboradas, certamente, com a ajuda do capeta.

 

Andava evitando esse assunto. Como disse no começo, ninguém quer saber de estórias passadas, mas elas podem ensinar algumas coisas. Podem lembrar que nunca ganhamos nada ao final de greve alguma. Que num passado ainda presente, o Supremo Tribunal Federal impôs o fim de uma que se arrastava sem solução, mesmo depois de algumas superintendências da PF serem ocupadas pelo Exército. Foi um fim de greve melancólico, como sempre. Como um dos dirigentes e co-fundador do primeiro sindicato de policiais do país - que também estava ocupado -, me emocionei ao pedir que os companheiros voltassem aos seus postos. Que retornassem aos seus lares de cabeça erguida, e explicassem para suas famílias que lutamos até onde foi possível. Que não era o fim de nada, era apenas um começo. E foi mesmo! Continuamos a luta, e por um longo tempo estivemos entre as categorias mais prestigiadas do país.

 

Analisar um fim uma greve é difícil, qualquer tentativa é rechaçada, às vezes, com desprezo e ironia por alguns. Não é referência a ninguém, mas não consigo deixar de lembrar a velha estória de gente que espera o fim dos combates para descer ao campo de batalha para matar os feridos... Embora possam dizer que os meus faróis estão voltados pra trás, insisto em olhar para frente. Imagino a tortura que os nossos dirigentes sindicais foram submetidos. Da quantidade de reuniões a que foram obrigados a comparecer para negociar com quem tinha ordem de não negociar... Era jogo ensaiado - até as alfaces da nossa horta sabiam que a “solução” seria transferida para a próxima reunião... Quem tivesse alguma esperança, a perderia lendo as declarações dos burocratas governamentais: “A ordem é não afrouxar. Não ceder além do que já foi oferecido”. Era evidente que eles queriam desorientar quem estivesse no outro lado da mesa - enfraquecer as lideranças era missão...

 

Descobri como agem “negociadores” do calibre de um Mendonça, do MPOG, do Secretário Carvalho, da PR, e também de gente como o Luís Inácio (não é o Lula), o da AGU, que diz que “o limite foi alcançado, que não há mais como ‘tolerar’ greves”... Alguém precisa lembrar a esse cidadão que quem decreta ilegalidade de greve é a Justiça. Mas estou preocupado, bateu em mim uma inesperada saudade do falecido Duvanier. Burocrata escolado, exercia seu métier nos enrolando com uma certa “ternura”, com um brilho nos olhos que parecia estar com vontade de nos atender...  Hoje nada espero da Miriam e sua turma; estou convicto de que ela saiu da Idade Média carregando as máquinas de tortura. Foi demais: para quem está sem reajuste há tanto tempo, quinze por cento em conta-gotas, durante três anos, é deboche... O pessoal antigo vai ter que rezar para estar vivo até lá. Ela vai dar essa garantia... Não duvido de mais nada - tudo pode acontecer, como também nada pode acontecer...

 

Enquanto isso, em reação à greve, dizem que os quinze por cento em três anos “é pegar ou largar”... Cortam ponto, determinam o redirecionamento de verbas e por aí afora. Ao mesmo tempo, ameaçam atribuições da PF com a ajuda de uma praga que está proliferando: os “invejosos de plantão”, que mesmo tendo atribuições claramente definidas, usurpam funções que não são deles, realizando, enfim, o sonho de suas vidas, que é o de fazer o que a Polícia Federal faz... Nos próximos concursos para ingresso nessas instituições, deveriam escrever em letras garrafais que os cargos não dão direito a realizar atribuições da PF, e nem a receber como tal. Mas parece que isso só será efetuado se os policiais federais nada mais reivindicarem, concordando que não merecem ter salário e atribuições dignas da importância da atividade que exercem.

 

Deixo claro que não estou criticando colega algum; sei perfeitamente que os sindicatos devem fazer o que os seus associados deliberarem. Mas continuo acreditando que companheiros de luta podem trocar experiências, passadas e presentes, pois é daí que podem surgir ideias que nos inspirem a encontrar soluções para o momento difícil que atravessamos.

 

Concluindo, li que a presidenta Dilma disse que os policiais federais querem aumento de salário porque integram um grupo de grevistas de sangue azul... Como torcedor do Grêmio, eu já sabia desse grande segredo - é uma característica que não é novidade para quem ama o imortal tricolor... Mas na condição de policial federal, não posso concordar. É óbvio que gente de “sangue azul” não é submetida a tanta penúria.

 

PS: Um imenso pensador argentino disse, um dia, que esteve num lugar onde observou pessoas vivendo com tanta dificuldade, que se Deus existe, por lá não passou... Ouso discordar dele: Deus existe, mas o MPOG controla o salário daquela gente...

 

e-mail vala1@uol.com.br

blog     www.valacir.com   



COLUNISTAS

Segurança pública na Covid-19 e a PEC 168: em busca da eficiência policial

A pandemia da Covid-19 trouxe a tragédia, apresentada em rápidos capítulos, mas também a evidenciação das falhas e deficiências em diversas áreas essenciais: saúde, educação, segurança pública e defesa civil. A carência na prestação de serviços públicos básicos não surgiu agora, em virtude da referida crise sanitária. É óbvio que se trata ...

FENAPEF esclarece situação de inscrição de Precatórios e expedição de RPV - ações dos 28,86

Na última sexta-feira, 1, se encerrou o prazo para inscrição de Precatórios para pagamento no final de 2017, por esse motivo a Diretoria jurídica esclarece a situação das ações que se encontram em fase de execução.   De acordo com o núcleo jurídico, há algum tempo esta ação que, na verdade é uma execução complementar à ação dos 28,86% pr...

Dutra, não o marechal, o taxista, tem razão. “Não jogue seu voto no lixo”

“O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.” (Luther King)   Por Gilberto Clementino   É a mais pura verdade. Entro num taxi e ouço o motorista Dutra, não o marechal, lógico, mas o taxista, Sérgio Dutra e, afinal, ele tem toda a razão. É preciso muito cuidado, diante ...

“Aprendendo com o mundo civilizado”

Por algumas dessas configurações que o destino apresenta, vim conhecer de perto o trabalho da Policia de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Publiquei algumas fotos em redes sociais, mencionando o alto grau de eficiência da Policia americana, em comparação com a nossa e rapidamente apareceram “experts” em segurança pública, para dizer que os agentes “ianques” não são lá essas coisas.   Aos “esp...

Agentes Federais: racionalizar gastos, eliminar burocracia e formar a carreira única

É preciso trabalhar e vejo que não se fala quase senão em política que é as mais das vezes guerra entre interesses individuais. (D. Pedro II)   É preciso estar atento quando se fala em sacrifícios e ajustes para atingir a chamada meta fiscal. É preciso que a população observe e reflita sobre comportamentos historicamente condenáveis como “farinha pouca no meu pirão primeiro” ou a...

Corra que a Polícia Federal Vem Aí!

Não perguntes o que a tua pátria pode fazer por ti. Pergunta o que tu podes fazer por ela. (John Kennedy)   Por Gilberto Clementino    Enquanto muitas instituições recebem avaliações sofríveis por parte da população, a Polícia Federal avança em credibilidade e confiabilidade, em trabalho árduo e necessário fechando cerco aos bandidos, que lesam o país nas mais variadas modali...

Luiz Eduardo Soares expressa sua opinião sobre a MP 657/2014

Em sua página do facebook, o especialista em Segurança pública, Luiz Eduardo Soares, expressa sua opinião a respeito da MP 657/2014.   "Vejam o absurdo da medida provisória 657 editada pela presidente Dilma. Sabemos que ela é centralizadora, mas, nesse caso, excedeu-se: se passa a ser a presidente a responsável pela nomeação do diretor geral da Polícia Federal, estando, entretanto, a instituição no minist&...

Artigo: Desvalorizar a polícia poderá nos custar muito caro

Por: Viviane Mosé   Vivo no Rio desde 1992, e a vinculação entre a polícia e a criminalidade sempre esteve presente, com policiais extorquindo cidadãos, e traficantes atuando como xerifes nas comunidades. Quando Anthony Garotinho foi governador e, depois, secretário de Segurança, essa relação se ampliou. Em sua sentença de condenação a dois anos e meio de prisão, o juiz Marcelo Leonardo Tavares afir...

Clique aqui para exibir mais notícias