Terça-feira, 19 de Outubro de 2021

Nota sobre a nomeação do diretor-geral da Polícia Federal

NOTA CONJUNTA – Forças de segurança pública federais foram abandonadas mais uma vez

PEC 412: o egocentrismo corporativista na adversidade política da Segurança Pública sob o impacto da crise sanitária coronavírus COVID-19

Sinpef-ES integra união de forças para auxiliar famílias capixabas

Coronavírus: Sinpef-ES suspende atendimentos presenciais e disponibiliza canais online

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

14/01/2021

SEGURANÇA PúBLICA E O RÁPIDO CAMINHO PARA O ABISMO

Autor: Roberto Antônio Darós

Qualquer gesto ou proposta política no sentido de modicar a estrutura da Segurança Pública que tenha característica de retirar a autonomia dos Estados é um verdadeiro atentado à democracia brasileira. Existem duas propostas tramitando no Congresso Nacional que seguem na contramão da modernidade nesta mencionada área, diferentemente da estruturação observada nos países evoluídos. Toda nação soberana e livre que superou em sua história diversas tragédias e guerras civis herdando, posteriormente, elevados índices de criminalidade e corrupção governamental, seguiram seu trajeto democrático evolutivo no sentido de reestruturar das forças policiais e fundamentá-las com uma “natureza civil”.

De maneira geral, o processo de desmilitarização das polícias na Europa já completou seu ciclo há décadas, restando apenas as tradicionais corporações militares que atuam de modo pretoriano e nos eventos culturais, sendo que a maioria das polícias municipais se transformaram em órgãos civis identificados com suas comunidades.

Desta forma, o que a segurança pública brasileira necessita é uma reestruturação geral do Capítulo III, Art. 144, em sua integralidade, seguindo uma tendência de divisão de competências constitucionais que alcance os três níveis (federal, estadual e municipal), em que se possam compatibilizar a atuação de todas as corporações policiais, no sentido de se aperfeiçoar, respeitar e implementar o SUSP (Sistema Único de Segurança Pública), em conformidade com os preceitos contidos em um novo e moderno Capítulo (Da Segurança Pública).

Seria extremamente salutar e eficiente que as PMs não fossem vinculadas ou assemelhadas ao Exército Brasileiro, revogando-se expressamente o § 6º, do Art. 144 da CF de 1988, que afirma ser a PM/CBM “força auxiliar e reserva do Exército”.

Portanto, falar em “Comandante-Geral da PM ter mandato eletivo de 2 anos, indicado em lista tríplice ao Governador e criar um quadro de Oficiais-Generais, além de dar-lhe competência para fiscalizar empresas de segurança privada” são medidas inócuas, injustas e desprovidas de qualquer razoabilidade no sentido de reduzir e controlar a criminalidade. Ao contrário, será um incentivo à inoperância e à elitização separatista dos corpos de oficiais com os trabalhadores-policiais que honrosamente patrulham as ruas e praças públicas, criando um intransponível obstáculo de castas elitizadas com vultosos salários e os PM permaneceriam recebendo salários aviltantes, péssimas condições de trabalho, ausência de apoio médico, oftalmológico, psicológico e assistência social, completamente desvalorizados e esquecidos.

Estas referidas propostas tendem a elevar os níveis de corrupção nas corporações e cotidianamente aumentar o desestímulo aos policiais vocacionados, criando espaços para à vinculação a milícias e trabalhos desprestigiados (os chamados bicos).

Da mesma forma, criar mandato de 2 anos para Delegado-Geral de Polícia é estimular a glamorização desta classe gestora (como já se observa na Web) que em nada se assemelham a verdadeiros “investigadores criminais”, assim como não se preocupam em modernizar a gestão das corporações policiais civis. Preferem ser “influenciadores digitais”, autodenominando-se “juristas policiais”. Assim, criar um Conselho Nacional de Polícia Civil será um gesto político inútil tanto quantos os atuais Conselhos Estaduais de Segurança Pública.

Essas tendências de supervalorização da atividade de polícia judiciária no procedimento apuratório é um contrassenso à operacionalidade, com o ultrapassado e ineficiente inquérito policial (presididos pelos referidos “juristas policiais”), assim como a elitização dos gestores das PMs (dando-lhes postos de “Generais”), caminham contrariamente a todas as propostas científicas e técnicas de modernização da área de segurança pública, conduzindo-a para o profundo abismo do corporativismo egocêntrico e insano.

A modernidade e eficiência na área de segurança pública surgirá quando forem discutidas e implementadas, por intermédio do ato político corajoso, diretrizes que efetivem a completa reestruturação desta mencionada área através de radicais mudanças e a implementação dos seguintes paradigmas: ciclo completo da atividade policial, carreira única com acesso exclusivo pela base laboral, descentralização da gestão de segurança pública em três níveis (federal, estadual e municipal) e a valorização do conhecimento dogmático policial e da meritocracia objetiva na estruturação das carreiras nas corporações, conforme consta na minha “Teoria da Transdisciplinaridade da Atividade Policial”, fundamentada no livro: “Segurança Pública, o novo pacto reformista da sociedade brasileira na estruturação da defesa social”.

O artigo foi originalmente publicado no site A Gazeta e pode ser lido aqui.



COLUNISTAS

Reflexão: A PF está mesmo “a todo vapor”?

O que há por trás das estatísticas operacionais da Polícia Federal, especialmente as apreensões de cocaína, que são apresentadas como símbolo de uma eficiência operacional que não se pode negar?   Desde 2012/2013, quando as “facções” se tornaram alvo específico da PF via Coordenação Geral de Prevenção e Repressão a Entorpecentes (CGPRE). Toda a estrutura...

Segurança pública na Covid-19 e a PEC 168: em busca da eficiência policial

A pandemia da Covid-19 trouxe a tragédia, apresentada em rápidos capítulos, mas também a evidenciação das falhas e deficiências em diversas áreas essenciais: saúde, educação, segurança pública e defesa civil. A carência na prestação de serviços públicos básicos não surgiu agora, em virtude da referida crise sanitária. É óbvio que se trata ...

FENAPEF esclarece situação de inscrição de Precatórios e expedição de RPV - ações dos 28,86

Na última sexta-feira, 1, se encerrou o prazo para inscrição de Precatórios para pagamento no final de 2017, por esse motivo a Diretoria jurídica esclarece a situação das ações que se encontram em fase de execução.   De acordo com o núcleo jurídico, há algum tempo esta ação que, na verdade é uma execução complementar à ação dos 28,86% pr...

Dutra, não o marechal, o taxista, tem razão. “Não jogue seu voto no lixo”

“O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.” (Luther King)   Por Gilberto Clementino   É a mais pura verdade. Entro num taxi e ouço o motorista Dutra, não o marechal, lógico, mas o taxista, Sérgio Dutra e, afinal, ele tem toda a razão. É preciso muito cuidado, diante ...

“Aprendendo com o mundo civilizado”

Por algumas dessas configurações que o destino apresenta, vim conhecer de perto o trabalho da Policia de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Publiquei algumas fotos em redes sociais, mencionando o alto grau de eficiência da Policia americana, em comparação com a nossa e rapidamente apareceram “experts” em segurança pública, para dizer que os agentes “ianques” não são lá essas coisas.   Aos “esp...

Agentes Federais: racionalizar gastos, eliminar burocracia e formar a carreira única

É preciso trabalhar e vejo que não se fala quase senão em política que é as mais das vezes guerra entre interesses individuais. (D. Pedro II)   É preciso estar atento quando se fala em sacrifícios e ajustes para atingir a chamada meta fiscal. É preciso que a população observe e reflita sobre comportamentos historicamente condenáveis como “farinha pouca no meu pirão primeiro” ou a...

Corra que a Polícia Federal Vem Aí!

Não perguntes o que a tua pátria pode fazer por ti. Pergunta o que tu podes fazer por ela. (John Kennedy)   Por Gilberto Clementino    Enquanto muitas instituições recebem avaliações sofríveis por parte da população, a Polícia Federal avança em credibilidade e confiabilidade, em trabalho árduo e necessário fechando cerco aos bandidos, que lesam o país nas mais variadas modali...

Luiz Eduardo Soares expressa sua opinião sobre a MP 657/2014

Em sua página do facebook, o especialista em Segurança pública, Luiz Eduardo Soares, expressa sua opinião a respeito da MP 657/2014.   "Vejam o absurdo da medida provisória 657 editada pela presidente Dilma. Sabemos que ela é centralizadora, mas, nesse caso, excedeu-se: se passa a ser a presidente a responsável pela nomeação do diretor geral da Polícia Federal, estando, entretanto, a instituição no minist&...

Artigo: Desvalorizar a polícia poderá nos custar muito caro

Por: Viviane Mosé   Vivo no Rio desde 1992, e a vinculação entre a polícia e a criminalidade sempre esteve presente, com policiais extorquindo cidadãos, e traficantes atuando como xerifes nas comunidades. Quando Anthony Garotinho foi governador e, depois, secretário de Segurança, essa relação se ampliou. Em sua sentença de condenação a dois anos e meio de prisão, o juiz Marcelo Leonardo Tavares afir...

Experiência não é carro com faróis virados pra trás...

Preciso fazer uma confissão: mesmo que alguns digam que experiência é um carro com os faróis virados para trás, não vou desistir; vou dizer ao mundo que não aguento mais ver meu salário encolher. Que estou no limite, que o ponteiro da minha resistência bateu na reserva. Continuarei exigindo que expliquem por que é tão difícil entender que congelamento de salário é incompatível com inflaç...

Clique aqui para exibir mais notícias