Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Nota sobre a nomeação do diretor-geral da Polícia Federal

NOTA CONJUNTA – Forças de segurança pública federais foram abandonadas mais uma vez

PEC 412: o egocentrismo corporativista na adversidade política da Segurança Pública sob o impacto da crise sanitária coronavírus COVID-19

Sinpef-ES integra união de forças para auxiliar famílias capixabas

Coronavírus: Sinpef-ES suspende atendimentos presenciais e disponibiliza canais online

A POLÍCIA FEDERAL
SOMOS NÓS!

03/02/2016

DUTRA, NÃO O MARECHAL, O TAXISTA, TEM RAZÃO. “NÃO JOGUE SEU VOTO NO LIXO”

O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.” (Luther King)

 

Por Gilberto Clementino

 

É a mais pura verdade. Entro num taxi e ouço o motorista Dutra, não o marechal, lógico, mas o taxista, Sérgio Dutra e, afinal, ele tem toda a razão. É preciso muito cuidado, diante de uma cleptocracia e desmoralização das instituições, com previsões sombrias para as futuras gerações. Toda a cautela ainda será insuficiente com relação aos pleitos eleitorais. As eleições se aproximam. Sempre aquele monte de pré-candidatos correndo para preencher vagas nos partidos políticos e se lançarem como candidatos aos cargos proporcionais e majoritários. Diz o velho dita que “gato escaldado tem medo de água fria”.  O brocardo serve muito bem para todos os eleitores. Exatamente por isso, roubado, esfolado, abusado, vilipendiado, deve estar muito atendo ao perfil dos candidatos. Certo é que o financiamento de campanhas por pessoas jurídicas sofreu um revés, mas nada adianta se não houver uma conscientização do eleitor, qualificando seu voto, examinando a biografia dos candidatos.

 

Leva um tempinho, o material humano não ajuda, mas a “dor de cabeça” será bem menor quando sua atenta observação resultar em um eleito que sabe propor (indicações), requerer (informações), apresentar projetos e realizar obras que atendam aos anseios da população. A verdade é que, em todas as eleições, anos após anos, o fato se repete: o indivíduo chega cheio de “promessas”, consegue uma vaga num dos 35 partidos registrados oficialmente na Justiça Eleitoral. Ou seja, o direito a votar e ser votado, garantido pela Constituição Federal, pode ser exercido tranquilamente. Mas, onde mora o perigo? A resposta é simples. Existem as raras exceções, mas de modo geral muitos estão à caça de um bom salário que lhes possibilite, apenas e tão somente, fazer o chamado “pé de meia”. Muitos, após eleitos, jamais dão às caras nas suas comunidades onde supostamente têm suas bases eleitorais.

 

E a análise vale para todos os cargos. O “ronco das ruas” e as “rádios corredores” revelam que um determinado candidato, eleito, teria chegado ao palácio com um caminhão de mudança. Concluído seu mandato, mais de uma “dezena de caminhões baú” foram necessárias para transladar seus “mimos” rumo à residência de origem. Tudo lamentável, condenável, péssimo exemplo. Mas muito pode ser feito para evitar que os cofres públicos sejam “sangrados” e sobre dinheiro para a saúde, educação, segurança pública, por exemplo. E começa, no jogo democrático, pelo voto. Esse sufrágio universal. Sua arma implacável e fulminante. É com dizia uma chamada muito bonita e de apelo principalmente ao eleitor, feita numa época, triste, de ditadura militar: vote bem, seja feliz, ninguém segura mais esse país (…).  Dutra, não o marechal, o taxista, tem razão. “não jogue seu voto no lixo”. Evite os candidatos mercenários que estão à espreita, usando sua boa fé, apenas em busca de seu “pé de meia”.



COLUNISTAS

Segurança pública na Covid-19 e a PEC 168: em busca da eficiência policial

A pandemia da Covid-19 trouxe a tragédia, apresentada em rápidos capítulos, mas também a evidenciação das falhas e deficiências em diversas áreas essenciais: saúde, educação, segurança pública e defesa civil. A carência na prestação de serviços públicos básicos não surgiu agora, em virtude da referida crise sanitária. É óbvio que se trata ...

FENAPEF esclarece situação de inscrição de Precatórios e expedição de RPV - ações dos 28,86

Na última sexta-feira, 1, se encerrou o prazo para inscrição de Precatórios para pagamento no final de 2017, por esse motivo a Diretoria jurídica esclarece a situação das ações que se encontram em fase de execução.   De acordo com o núcleo jurídico, há algum tempo esta ação que, na verdade é uma execução complementar à ação dos 28,86% pr...

“Aprendendo com o mundo civilizado”

Por algumas dessas configurações que o destino apresenta, vim conhecer de perto o trabalho da Policia de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Publiquei algumas fotos em redes sociais, mencionando o alto grau de eficiência da Policia americana, em comparação com a nossa e rapidamente apareceram “experts” em segurança pública, para dizer que os agentes “ianques” não são lá essas coisas.   Aos “esp...

Agentes Federais: racionalizar gastos, eliminar burocracia e formar a carreira única

É preciso trabalhar e vejo que não se fala quase senão em política que é as mais das vezes guerra entre interesses individuais. (D. Pedro II)   É preciso estar atento quando se fala em sacrifícios e ajustes para atingir a chamada meta fiscal. É preciso que a população observe e reflita sobre comportamentos historicamente condenáveis como “farinha pouca no meu pirão primeiro” ou a...

Corra que a Polícia Federal Vem Aí!

Não perguntes o que a tua pátria pode fazer por ti. Pergunta o que tu podes fazer por ela. (John Kennedy)   Por Gilberto Clementino    Enquanto muitas instituições recebem avaliações sofríveis por parte da população, a Polícia Federal avança em credibilidade e confiabilidade, em trabalho árduo e necessário fechando cerco aos bandidos, que lesam o país nas mais variadas modali...

Luiz Eduardo Soares expressa sua opinião sobre a MP 657/2014

Em sua página do facebook, o especialista em Segurança pública, Luiz Eduardo Soares, expressa sua opinião a respeito da MP 657/2014.   "Vejam o absurdo da medida provisória 657 editada pela presidente Dilma. Sabemos que ela é centralizadora, mas, nesse caso, excedeu-se: se passa a ser a presidente a responsável pela nomeação do diretor geral da Polícia Federal, estando, entretanto, a instituição no minist&...

Artigo: Desvalorizar a polícia poderá nos custar muito caro

Por: Viviane Mosé   Vivo no Rio desde 1992, e a vinculação entre a polícia e a criminalidade sempre esteve presente, com policiais extorquindo cidadãos, e traficantes atuando como xerifes nas comunidades. Quando Anthony Garotinho foi governador e, depois, secretário de Segurança, essa relação se ampliou. Em sua sentença de condenação a dois anos e meio de prisão, o juiz Marcelo Leonardo Tavares afir...

Experiência não é carro com faróis virados pra trás...

Preciso fazer uma confissão: mesmo que alguns digam que experiência é um carro com os faróis virados para trás, não vou desistir; vou dizer ao mundo que não aguento mais ver meu salário encolher. Que estou no limite, que o ponteiro da minha resistência bateu na reserva. Continuarei exigindo que expliquem por que é tão difícil entender que congelamento de salário é incompatível com inflaç...

Clique aqui para exibir mais notícias